Navegar para Cima

Notícias

A sinergia que passa por vivências bilíngues

O fortalecimento da Região América Sul envolve diálogos constantes em espanhol e português
30/04/2019
Institucional
O fortalecimento da Região América Sul envolve diálogos constantes em espanhol e português

​​​​​​Região ou Región. Educación ou Educação. Desafios ou retos. É nessa mistura de idiomas que, desde 2016, a Região América Sul fortalece a nossa inte rnacionalidade, em um movimento de aproximação da atuação marista em seis países de língua espanhola, ​em um de língua portuguesa. Desse modo, as conversas e trocas entre representantes das Províncias costumam ser realizadas em ambos os idiomas, muitas vezes de modo concomitante durante uma mesma conversa. Isso atende a uma premissa de respeito às línguas de origem dos Irmãos e Leigos/as.

Como derivam do latim, as duas línguas têm diversas semelhanças na construção das palavras e frases. Também, por compartilharem uma história repleta de conexões entre os sete países, o desenvolvimento do espanhol e do português passou por alterações e adaptações que se relacionam. Por outro lado, cada cultura tem suas particularidades e interpretações próprias, fator que pode gerar algum tipo de dificuldade de compreensão. Toda essa mescla idiomática e cultural é uma oportunidade para entender a força da diversidade e demonstra a riqueza da Região América Sul.

Um exemplo dessa multiculturalidade são os encontros e eventos da Região. Eles contribuem para o desenvolvimento e fortalecimento do sentimento de pertença regional, uma vez que contam com a presença de representantes dos dois idiomas. Assim, os diálogos, as produções gráficas, apresentações, documentos regionais, também caminham em sintonia e são desenvolvidos de modo bilíngue. Esse boletim é exemplo desta preocupação.

Para o Ir. Juan García, Delegado de Missão do Peru, “a presença dos dois idiomas permite ampliar os laços fraternais, proporcionando um olhar global e o intercâmbio das experiências de vida, missão marista e riqueza cultural em cada país." Ele assegura que “as diferenças presentes nos dois idiomas nos desafiam a dominar uma outra língua para enriquecer e participar de outras experiências na trajetória que a Região América Sul vem construindo."