Navegar para Cima

Notícias

Novos modelos de governança, animação e gestão

O apelo do XXI Capítulo Geral, Com Maria, ide depressa para uma nova terra, desencadeou muitos processos vitais nas diferentes regiões do Instituto Marista.
08/04/2016
Institucional
O apelo do XXI Capítulo Geral, Com Maria, ide depressa para uma nova terra, desencadeou muitos processos vitais nas diferentes regiões do Instituto Marista. 

​O apelo do XXI Capítulo Geral, Com Maria, ide depressa para uma nova terra, desencadeou muitos processos vitais nas diferentes regiões do Instituto Marista.  Deste Capítulo, o Governo-Geral recebeu a recomendação de fomentar, em todos os níveis, estruturas de animação, coordenação e governo que impulsionem a vitalidade do Instituto e de sua missão. 

Dessa recomendação nasce, em 2014, o projeto Novos modelos de animação, governança e gestão, com objetivo de propor princípios, diretrizes e processos para uma melhor organização da missão em todos os níveis do Instituto. Uma verdadeira nova aurora para nossa missão no mundo. 

O projeto se desenvolve a partir de quatro dimensões: 

1.    a evangelização e a presença entre crianças e jovens;

2.    a corresponsabilidade e a presença complementar de leigos e irmãos;

3.    a internacionalidade;

4.    a animação, a gestão e o governo no âmbito das Unidades Administrativas e da Administração Geral.

A busca por novos modelos de animação, governança e gestão tem como objetivo fazer com que os pilares da atuação marista no mundo continuem mais sólidos do que nunca. Trata-se de uma busca por novas formas de atuar sem perder de vista quem somos. Não é, portanto, um projeto desconectado de outros, mas sim novos modos de atualizar a missão marista ao dia de hoje, permanecendo fiéis ao nosso DNA. 

Como resultado dessa última dimensão o Instituto repensou sua organização global, criando uma nova abordagem integrada da missão em âmbito geral, regional e administrativo (UA). O Instituto passa a estar organizado em seis regiões: América Sul, Arco Norte, África, Ásia, Europa e Oceania.

Além dos movimentos regionais, o projeto vislumbra o futuro a partir de quatro perspectivas: rumo à especialização, rumo a um corpo global, rumo à corresponsabilidade, rumo a novas oportunidades de missão.